Computação em nuvem favorece empresas iniciantes

A cloud computing tem ajudado startups a crescerem sem a contratação de servidores adicionais

Se você tem perfil no Twitter e nas redes sociais, já deve conhecer o Sorteie.me. É uma plataforma de sorteios online que funciona em conjunto com o microblog. Basta retuitar um link específico para que o usuário participe do sorteio. E como quase toda ideia nascida na internet, essa também surgiu pequenininha, até o dia em que uma única promoção de uma rádio fez o site ter mais de 100 mil retweets, em menos de 24 horas.

A sorte dessa turma é que o serviço deles está baseado na chamada cloud computing – ou computação na nuvem – e, assim, bastou que a empresa acessasse o sistema e contratasse servidores adicionais para suportar o crescimento. A operação seria  inviável caso a empresa iniciante precisasse investir em servidores físicos, explica o responsável pelo site, Bruno Barreto.

Uma outra empresa em início de operação também buscou a computação em nuvem para garantir sua sobrevivência online. Tudo começou como um agrado de Flávio e Renato para as esposas. Elas gostavam muito de moda e resolveram criar uma rede social fashion, voltada a criar looks e compartilhar opiniões online. Assim, criaram a Bymk. Mas conforme a brincadeira foi ganhando adeptos, os fundadores perceberam que não tinha mais como suportar o tráfego, com os servidores antigos. "Então, a gente teve de tomar uma providência", conta Renato Steinberg.

Em meio a pesquisas para a nova hospedagem, a dupla encontrou na nuvem a melhor relação custo/benefício. E, em 2009, já com o site estabelecido, resolveram abandonar as carreiras bem-sucedidas na área de finanças para cuidar exclusivamente do próprio negócio.

"Quanto mais máquinas eu coloco, mais eu pago por hora", explica Renato, afirmando que o uso dos discos e os dados armazenados também são usados para calcular o custo mensal. Hoje, segundo ele, a rede social não cai nem em momentos de pico. Quando o número de visitas está muito alto, só precisam acessar o painel de controle e ativar novos servidores.

A nuvem é uma ótima solução para empresas em início de operação, as chamadas startups. Com investimentos bem baixos, é possível lançar sua ideia no mercado e, à medida em que ela ganhe 
 aceitação, aumentar os investimentos. O gasto pode ser zero, ou não passar de alguns centavos, num primeiro momento da hospedagem.
"É muito mais importante que você não aposte todo seu dinheiro em infraestrutura e máquina, até porque, provavelmente, vai ficar obsoleto com o tempo", sugere Diego Remus, especialista em startups.

"A questão é quando o serviço se torna popular ele vai ser mais usado, ele tem que ter uma alta disponibilidade porque a pior coisa que pode acontecer neste momento é ficar fora do ar e ou dar algum problema, porque, talvez, as pessoas nem voltem", conta  Diego. Se você tem uma super ideia de negócio na cabeça e quer conhecer mais sobre o mercado de TI e a nuvem, ou se quer apenas saber os endereços do sorteie.me ou da rede social fashion mostrados nessa matéria, acesse os links que acompanham esta matéria.

Link - Sortei.me Bymk  

 

http://olhardigital.uol.com.br/negocios/central_de_videos/cloud_computing_-_startups 

 

 

http://dicadeumamigo.webnode.com.br/